Vontade política muda pra melhor a vida de famílias de baixa renda

Vontade política muda pra melhor a vida de famílias de baixa renda

Vontade política muda pra melhor a vida de famílias de baixa renda

 

Vontade política muda pra melhor a vida de famílias de baixa renda

13 de agosto 2019

O Sistema Único de Assistência à Saúde (SUAS) atua com quatro linhas de recurso, além da União, estados, municípios e entidades / empresas da sociedade civil organizada e todos precisam fazer a sua parte, inclusive o governo federal que é o responsável pela maior cota.

Na contramão das decisões que prejudicam a aplicabilidade da Assistência Social o município de Mombaça, no Ceará, se apresenta como um exemplo a ser seguido. O município que possui cerca de 50 mil habitantes e apenas dois (02) CRAS e duas (02) equipes volantes, são atendidas 11 mil famílias em função de vulnerabilidade social, sendo que 6 mil, que recebem atendimento da alta complexidade, vivem em situação de extrema vulnerabilidade social.

Para amenizar a situação das famílias, mesmo tendo em vista os cortes de recursos na sua totalidade e outros reduzidos, mas ainda destinados, a Prefeitura de Mombaça instituiu o Cartão Esperança que prevê atendimento a mil famílias que irão receber um aporte financeiro de R$ 60 reais por mês. Segunda Izaura Gomes, secretaria municipal de Assistência Social, “o recurso é próprio e oriundo do Fundo de Participação dos Municípios (FPM)”. Ela disse que essa primeira etapa, que inicia no próximo dia 14, vai atender 300 famílias de 11 distritos no município que está localizado na região do semiárido do Ceará e sofre sem recursos hídricos.

O

Outro exemplo positivo vem do município de Fortaleza. Segundo o secretário de Direitos Humanos e Desenvolvimento Social, Elpídeo Nogueira, a Prefeitura destina do total das casas populares entregues a famílias de baixa renda, 10 % para moradores de rua. Disse que essa política precisa ser ampliada e sugeriu que se a iniciativa privada contribuísse todos juntos poderiam promover dignidade e cidadania a quem precisa de fato.

 

Por Christina Hayne e Benigna Soares